Carga tributária sobe para 32,3% do PIB em 2016, a maior em 3 anos

Segundo a Secretaria da Receita Federal, carga tributária aumentou no ano passado devido ao programa que permitiu a regularização de bens mantidos por brasileiros no exterior.

carga tributária, que é o patamar de impostos pagos em relação à riqueza do país, somou 32,38% do Produto Interno Bruto (PIB) em 2016, informou nesta quarta-feira (27) a Secretaria da Receita Federal. O índice registrado no ano passado é o maior em três anos.
No ano passado, a Receita Federal havia informado que a carga tributária do ano de 2015 havia somado 32,66% do PIB, mas este número mudou para 32,11% por conta das revisões do PIB feitas pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE).
Em 2013 e 2014, respectivamente, a carga tributária somou 32,56% do PIB e 31,87% do PIB, de acordo com dados revisados pelo Fisco.
Segundo o governo, um dos fatores para o aumento da carga tributária no ano passado foi o tombo de 3,5% do Produto Interno Bruto (PIB).
Ao mesmo tempo, o Fisco observa que houve uma arrecadação extra de R$ 46,8 bilhões proporcionada pelo programa conhecido como repatriação, que permitiu que contribuintes brasileiros regularizassem, mediante pagamento de multa e Imposto de Renda, bens mantidos no exterior e que não haviam sindo declarados à Receita.
Sem a repatriação, diz o órgão, a carga tributária teria caído para 32,01% do PIB no ano passado.

Impostos X PIB
Os números divulgados pela Receita Federal mostram que foram arrecadados no ano passado, em tributos federais, estaduais e municipais, R$ 2,02 trilhões (valor não inclui multas e juros), enquanto o PIB do mesmo período somou R$ 6,25 trilhões.
Em 2015, a arrecadação de impostos e contribuições havia somado R$ 1,92 trilhão, enquanto o PIB do mesmo período totalizou R$ 5,99 trilhões.

A Receita utiliza nesta comparação o PIB nominal (sem a correção da inflação), que subiu no ano passado em comparação com 2014. Entretanto, se descontada a inflação - o chamado PIB "real" - houve queda do PIB de 3,5% em 2016, na comparação com 2015.
Do valor total arrecadado no ano passado, ainda de acordo com informações da Receita Federal, a arrecadação do governo federal somou R$ 1,38 trilhão, ou 22,11% do PIB - o equivalente a 68,27% do total. Em 2015, havia sido de R$ 1,31 trilhão, ou 21,95% do PIB.
Já a arrecadação dos estados somou R$ 514 bilhões em 2016 (8,23% do PIB), contra R$ 489 bilhões (8,16% do PIB) em 2015. Ao mesmo tempo, a arrecadação dos municípios totalizou R$ 128 bilhões em 2016 (2,05% do PIB), em comparação com R$ 119 bilhões, ou 2% do PIB, em 2015.
Imposto sobre bens e serviços
Os números oficiais mostram ainda que a principal forma de tributação do país continuou sendo, no ano passado, os impostos sobre bens e serviços, ou seja, os tributos indiretos, embutidos nos preços. Eles somaram 15,35% do PIB, representando 47,39% de toda a carga tributária brasileira em 2016.
Esse formato de tributação penaliza os mais pobres, pois o peso dos impostos é o mesmo para todos, mas consome mais renda de quem ganha menos.
Ao mesmo tempo, os tributos sobre o lucro, renda e o ganho de capital do brasileiro somaram 6,47% do PIB no ano passado - equivalente a 19,9% do total da carga tributária no ano passado.
Já os impostos e contribuições sobre a folha de salários representaram 26,3% da carga tributária total. Os tributos sobre a propriedade e sobre as transações financeiras, respectivamente, representaram 4,67% e 1,66% do total da carga tributária de 2016.
Comparação com outros países
A comparação internacional, segundo dados divulgados pelo Fisco, é feita com base no ano de 2015 – por conta do atraso em obter dados de outras nações. Naquele ano, a carga brasileira somou 32,1% do PIB, uma das maiores da América Latina e Caribe.
O peso dos tributos no Brasil, em 2015, ficou acima de países como Turquia (30%), Estados Unidos (26,4%), Suíça (27,9%), Coreia do Sul (25,3%), Canadá (31,9%), Israel (31,4%), Irlanda (23,6%), Chile (20,7%) e México (17,4%).
A carga tributária brasileira em 2015, entretanto, foi inferior à de países como Suécia (43,3% do PIB), França (45,5% do PIB), Noruega (38,1% do PIB), Itália (43,3% do PIB), Alemanha (36,9% do PIB), Áustria (43,5% do PIB), Hungria (39,4% do PIB) e Islândia (37,1% do PIB).

fonte: g1.globo

Cotações e Índices

Moedas - 18/02/2019 16:02:44
  • Nome
  • Compra
  • Venda
  • Comercial
  • 3,730
  • 3,732
  • Paralelo
  • 3,700
  • 3,890
  • Turismo
  • 3,580
  • 3,880
  • Euro
  • 4,218
  • 4,221
  • Iene
  • 0,034
  • 0,034
  • Franco
  • 3,715
  • 3,716
  • Libra
  • 4,822
  • 4,826
  • Ouro
  • 155,060
  •  
Mensal - 14/02/2019
  • Índices
  • Dez
  • Jan
  • Inpc/Ibge
  • 0,14
  • 0,36
  • Ipc/Fipe
  • 0,09
  • 0,58
  • Ipc/Fgv
  • 0,21
  • 0,57
  • Igp-m/Fgv
  • -0,49
  • 0,01
  • Igp-di/Fgv
  • -0,45
  • 0,07
  • Selic
  • 0,49
  • 0,54
  • Poupança
  • 0,50
  • 0,50
  • TJLP
  • 0,56
  • -
  • TR
  • -
  • -

Agendas Tributárias

  • 20/Fevereiro/2019
  • IRRF | Imposto de Renda Retido na Fonte.
  • Cofins/CSL/PIS-Pasep | Retenção na Fonte
  • COFINS/PIS-Pasep | Entidades financeiras. 
  • INSS | Previdência Social. 
  • EFD - Contribuintes do IPI | Pernambuco e Distrito Federal.
  • Simples Nacional. 
  • IRPJ/CSL/PIS/COFINS | Incorporações imobiliárias | Regime Especial de Tributação – PMCMV. 
  • IRPJ/CSL/PIS/COFINS | Incorporações imobiliárias | Regime Especial de Tributação - RET.
  • Previdência Social (INSS) | Parcelamento excepcional de débitos de Pessoas Jurídicas. 
  • Parcelamento especial da Contribuição Social do salário-educação. 
  • Previdência Social (INSS) | Parcelamento Especial de Débitos - PAES.
META CONTABILIDADE LTDA.
Rua das Arraias, 80   |   Parque Residencial Aquarius - Sala 01   |   São José dos Campos/SP
Fone: (12) 2135.0400 - Fax: (12) 2135.0430   |   meta@metacontabilsjc.com.br
Site desenvolvido pela TBrWeb (XHTML / CSS)