3 hacks básicos para manter o foco e ser mais produtivo

Apesar de vivermos imersos em informações, nossa capacidade de transformar esse volume absurdo em conhecimento é limitada tanto pelo tempo disponível quanto pela capacidade cognitiva. O problema se torna maior quando não notamos que o acesso a uma infinidade de informações se tornou uma forma de distração. O feed infinito do Facebook, dezenas de conversas em grupos do Whatsapp, milhares de e-mails não lidos – tudo isso sem contar as informações necessárias para estudo ou trabalho. Essa dispersão tem efeitos inclusive na saúde, podendo desencadear crises de burnout, ansiedade, insônia, dentre outros problemas.

Diante dessa crise, há uma preocupação crescente com o foco – ou atenção. "Muito recentemente, a ciência da atenção floresceu para muito além da vigilância", afirma o psicólogo Daniel Goleman em seu livro Foco. "Essa ciência diz que nossa capacidade de atenção determina o nível de competência com que realizamos determinada tarefa. Se ela é ruim, nos saímos mal. Se é poderosa, podemos nos sobressair", explica. Ou seja, para realizar coisas, concretizar ideias, atingir objetivos e atingir um grau de excelência em determinada atividade, é essencial direcionar o foco àquilo que se pretende fazer e eliminar o máximo possível de distrações – boa parte delas está relacionada à internet e redes sociais.

O guru do marketing Seth Godin defende que os dois bens mais escassos atualmente são confiança e atenção. O primeiro por ser frágil. O segundo porque, apesar de vivermos em um sistema econômico onde a atenção é cada vez mais disputada e valiosa, ela não tem escala industrial. Só podemos fazer uma atividade por vez, seja checar e-mails, estudar ou ser alvo de campanhas publicitárias. Diversas ferramentas online e aplicativos são feitos para serem fáceis de usar e, dessa maneira, criar um certo grau de dependência. Assistir a episódios consecutivos de uma série ou conferir as atualizações nas redes sociais não nos torna mais felizes ou capazes, mas consomem muita atenção e tempo.

"Uma distração é uma alerta que diz 'oriente sua atenção para cá agora'; e isso pode ser perigoso", diz David Rock, autor de Your brain at work. O cérebro reage automaticamente ao estímulo e, a essa altura, já perdemos o foco.

Portanto, tão necessário quanto nos dedicarmos ao que deve ser feito é tirar da nossa vista qualquer elemento que possa dispersar a atenção investida em determinada tarefa, além de desenvolver bons hábitos. É importante lembrar que foco não depende apenas de força de vontade, mas é uma habilidade que deve ser treinada continuamente; à medida em que você pratica, consegue dominar melhor.

A capacidade de manter o foco é a principal habilidade do século 21, aquela que vai garantir o sucesso pessoal e profissional. Confira abaixo três dicas para melhorar sua atenção e manter o foco nas atividades que realmente importam.

1. Fique longe do celular durante os primeiros 20 minutos do dia.

A primeira e última atividade que muita gente faz no dia é conferir o smartphone – uma janela para inúmeras fontes de distração. Já foi comprovado que a luz emitida pelos aparelhos prejudica a qualidade do sono, o que já é péssimo para quem quer um pouco de qualidade de vida. Ligar o aparelho assim que acordar – até mesmo antes de levantar da cama – não está entre os melhores hábitos para iniciar o dia. O ideal é dedicar ao menos 20 minutos para uma atividade contemplativa, banal, ou apenas meditação. Pode ser algo tão simples como abrir a janela, ouvir os sons do dia, sentir os aromas, preparar o café e tomar um banho.

O especialista em meditação e concentração Andy Puddicombe, em uma palestra TED, questiona sobre a última vez em que passamos apenas 10 minutos sem fazer absolutamente nada. Ele sugere que a meditação é uma maneira de observar o pensamento e as emoções, o que contribui para o relaxamento, foco e, de quebra, autoconhecimento. "Tudo o que você precisa são 10 minutos por dia dar um passo para trás, familiarizar-se com o presente para experienciar uma sensação maior de foco, calma e clareza na sua vida", revela. A maioria das pessoas irá começar a pensar nos problemas, compromissos e necessidades a partir do segundo minuto. Portanto, meditação requer prática para que se chegue à perfeição.

"Quando sua mente divagar – e você perceber que isso aconteceu – traga-a de volta ao seu ponto focal e mantenha sua atenção lá. E quando sua mente volta a divagar, faça a mesma coisa. E de novo. E de novo. E de novo", recomenda Daniel Goleman no livro já citado.

Os primeiros minutos do dia também são importantes para pensar no que foi feito no dia anterior, considerar novas ideias e planos e projetar o que deve ser feito ao longo do dia. Ao se conectar assim que acorda, você deixa tudo isso de lado e dá mais importância às atualizações e novidades que dificilmente farão alguma diferença na sua vida. E, uma vez sugado para esse mundo, você vai demorar bem mais do que preciosos 20 minutos para sair dele.

2. Um dia sem internet

Esse passo pode ser encarado como uma evolução do anterior. Cumulativamente àqueles 20 minutos diários, reserve um dia inteiro para ficar longe do seu computador ou smartphone – ou qualquer outra maneira de acessar a internet. Pode fazer qualquer coisa – tocar violão, ler um livro, passear, enfim... o importante é se desligar completamente do mundo online durante essas 24 horas.

O objetivo é dar um tempo para sua mente se revigorar – assim como nosso corpo não precisa de exercícios constantes para desenvolver a musculatura, o cérebro precisa de uma folga para relaxar. Como disse Obi-Wan ao então jovem padawan Anakin Skywalker, "seu foco determina sua realidade". Nossos sentimentos e personalidade são, necessariamente, condicionados pelo nosso foco. Se você decidir permanecer conectado todos os dias, como espera ter boas ideias ou enxergar as coisas por outra perspectiva?

O escritor russo Tolstói, um gênio da contemplação, sempre exortou para a necessidade de se desligar do mundo das informações e observar o mundo real. "Se, então, alguém me perguntasse qual o mais importante conselho que eu poderia dar, simplesmente diria: em nome de Deus, pare por um momento, suspenda seu trabalho, olhe ao seu redor", escreveu em uma de suas cartas. Ele nunca tocou num smartphone ou passou horas vendo TV, mas seu conselho vale para todas as gerações atuais e vindouras.

"Extrair valor das informações é uma atividade frequentemente interrompida quando se está ocupado", afirma Cal Newport, autor de Deep Work. A ação descrita consiste em transformar informação em conhecimento. Nossa mente faz essa mágica quando não está ocupada demais com a internet ou outras distrações. Daí a importância de garantir um dia de folga para ela.

3. Evite internet antes ou depois do trabalho

Passamos entre seis e oito horas do nosso dia trabalhando. E mais algumas no trânsito. Durante esse período, é necessário, para muitos profissionais, permanecer conectado. A internet também é um instrumento de trabalho. Tirando as horas em que precisamos dormir, é frustrante gastar o restante do dia na internet – em geral com atividades inúteis. Aproveite o tempo em que você não precisa estar conectado para desenvolver uma nova ocupação ou hobby, dar atenção à família, arrumar a casa ou caminhar.

Chegar em casa após um longo dia de trabalho e se atirar no sofá com o celular na mão sem ao menos trocar de roupa não é algo prazeroso, útil ou importante. Uma vez conectado – mesmo que seja só para checar novos e-mails e notificações – você dificilmente vai sair desse buraco negro por conta própria. Então para quê entrar nele, afinal?

A capacidade individual de foco é tão forte quanto o comprometimento em treiná-lo. Dificilmente uma pessoa acostumada a péssimos hábitos conseguirá desenvolver atividades que requerem concentração e reflexão – um dos motivos pelos quais os diagnósticos de TDAH, inclusive em crianças, vêm crescendo a um ritmo alarmante. Mas esses três exercícios são basilares para melhorar o foco e, consequentemente, a produtividade e a qualidade de vida.

Fonte: administradores.com.br

Cotações e Índices

Moedas - 18/12/2018 15:56:40
  • Nome
  • Compra
  • Venda
  • Comercial
  • 3,901
  • 3,902
  • Paralelo
  • 3,870
  • 4,070
  • Turismo
  • 3,750
  • 4,060
  • Euro
  • 4,434
  • 4,437
  • Iene
  • 0,035
  • 0,035
  • Franco
  • 3,931
  • 3,930
  • Libra
  • 4,930
  • 4,933
  • Ouro
  • 155,030
  •  
Mensal - 06/12/2018
  • Índices
  • Set
  • Out
  • Inpc/Ibge
  • 0,21
  • 0,40
  • Ipc/Fipe
  • 0,39
  • 0,48
  • Ipc/Fgv
  • 0,34
  • 0,48
  • Igp-m/Fgv
  • 1,52
  • 0,89
  • Igp-di/Fgv
  • -
  • 0,26
  • Selic
  • 0,47
  • 0,54
  • Poupança
  • 0,50
  • 0,50
  • TJLP
  • 0,55
  • 0,55
  • TR
  • -
  • -

Agendas Tributárias

  • 20/Dezembro/2018
  • IRRF | Imposto de Renda Retido na Fonte.
  • Cofins/CSL/PIS-Pasep | Retenção na Fonte.
  • COFINS/PIS-Pasep | Entidades financeiras.
  • INSS | Previdência Social.
  • EFD - Contribuintes do IPI | Pernambuco e Distrito Federal.
  • Simples Nacional.
  • IRPJ/CSL/PIS/COFINS | Incorporações imobiliárias | Regime Especial de Tributação – PMCMV.
  • IRPJ/CSL/PIS/COFINS | Incorporações imobiliárias | Regime Especial de Tributação.
  • Previdência Social (INSS) | Parcelamento excepcional de débitos de Pessoas Jurídicas.
  • Parcelamento especial da Contribuição Social do salário-educação.
  • Previdência Social (INSS) | Parcelamento Especial de Débitos - PAES.
  • 13º salário 2018.
  • INSS | 13º salário 2018.
META CONTABILIDADE LTDA.
Rua das Arraias, 80   |   Parque Residencial Aquarius - Sala 01   |   São José dos Campos/SP
Fone: (12) 2135.0400 - Fax: (12) 2135.0430   |   meta@metacontabilsjc.com.br
Site desenvolvido pela TBrWeb (XHTML / CSS)